<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6107247\x26blogName\x3dassocia%C3%A7%C3%A3o+de+radicais+pela+%C3%A9tica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://radicaispelaetica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://radicaispelaetica.blogspot.com/\x26vt\x3d-4802541920765737602', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

quinta-feira, junho 03, 2004

A culpa de ter partido, a raiva de ter ficado a saudade de não voltar

Diz-se que Portugal sofre de uma doença bipolar. Maníaco - depressivo porque oscila sem realismo entre a fuga para o prognóstico de realização imperial e o soçobrar, o colapso colectivo que se afunda no desejo de regeneração que nunca é concretizado. Ora o problema parece-me ser outro. Portugal possui um povo infantilizado, eterno adolescente imberbe, cheio de angústias e crises de auto confiança. Inseguro e incapaz de largar de vista a mão do pai idealizado contra o qual se quer afirmar. Típico dos adolescentes, vive em eterna auto perscrutação, numa zona nebulosa e ambígua, ansioso sobre os desígnios a perseguir e incerto quanto às acções a executar.

Oscila entre a amargura auto punitiva do falhanço antecipado e a euforia irrealista e inebriante de um futuro radioso e grandioso. Em qualquer dos casos em termos absolutos e definitivos para além de qualquer redenção possível. Cheio de manhas e mecanismos de defesa, é ardiloso e cobarde e sente-se inferior. Cheio de sonhos de importância perene e esmagadora é arrogante e megalómano e sente-se superior. Como qualquer adolescente à procura do seu lugar no mundo e do seu papel.

É um povo de indivíduos fracos, incapazes de relacionamento de iguais, que anseiam pela validação e afago do chefe (substituto do pai que impunha a disciplina sem nexo e sem racionalidade enquanto tirava cera dos ouvidos com uma unhaca). Mas é um povo sem individualismo, porque a individualidade é apenas uma mera expressão da diferença percebida ou desejada em relação ao outro, e não base de autoconfiança e crescimento próprio. Antes pelo contrário, dependente do reconhecimento do e pelo outro, que contudo nunca é suficiente, porque é sempre relativo, pedincha constantemente atenção e carinho que depois não aceita porque é incapaz de assumir uma relação igual em que tenha de se dar também. Espera pois adulação e não emoção.

É portanto um povo eternamente à procura do pai ideal que alumie o caminho a percorrer e sempre a rejeitar qualquer pai que se afigure possível. Um povo prisioneiro, há séculos, deste paradoxo, que recusa a crescer e a assumir riscos, responsabilidades e alegrias e tristezas. Um povo que raramente experimentou a incerteza. E que se acostumou a estar naquela zona cinzenta em que se pode atribuir às circunstâncias e a terceiros a culpa original, por coisas que de outro modo poderiam ser corrigidas como parte de processos de aprendizagem e crescimento. Um povo que chafurda na lama da impotência, disfarçada pelo marialvismo e pelo misticismo barato. Consumido pela cobardia de não denunciar pela frente aquilo de que se entretêm a fazer a dissecação em voz baixa sempre lesto a condenar elaborando longuíssimos e amplos juízos de intenção e de valor. Um povo demasiado habituado a não tomar decisões e a assumir a escolha produzida. Sempre em busca de um líder/pai carismático idealizado que os exima de se maçarem a angústia do trabalho e do pensamento e a quem possam transformar em bode expiatório para a sua própria inépcia e preguiça. Um povo ignorante que se presume sabichão.

At 18/3/07 00:53, Anonymous Anónimo said...

This is very interesting site... film editing schools

 
At 25/4/07 04:03, Anonymous Anónimo said...

Enjoyed a lot! home security colon cancer new drug vitamin b12 Montsouris backpack louis vuitton didrex online cod cars jean jackets northwest airlines visa manila Recovery disk scratched 24ghz wireless b internet video camera patanol Power furnace humidifier Mesotherapy nutec Consalidation debt free reduction services Land patents http homepages.rootsweb.com haas learningcenter fibromyalgia topamax best refinance rate 2006 honda 400ex review lift chairs Cialis generic minuteviagra.com viagra viagra

 

comentários

<< Home

voltar ao início Site Meter