<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6107247\x26blogName\x3dassocia%C3%A7%C3%A3o+de+radicais+pela+%C3%A9tica\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://radicaispelaetica.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://radicaispelaetica.blogspot.com/\x26vt\x3d-4802541920765737602', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, maio 15, 2004

Abu Ghraib

A tortura de prisioneiros de guerra (e de outros que o não eram) no Iraque foi apresentada como «não americana» pelo Presidente Bush e, na Europa, como efeito directo da política de Bush. No primeiro caso, seria um incidente singular, atribuível à maldade do homem e a um erro de comando; e, no segundo, a consequência de uma prática geral, aprovada por um governo perverso. Tudo isto não passa evidentemente de uma conversa absurda. A América é uma sociedade violenta. Uma sociedade em que a violência está no dia-a-dia e se vive dia-a-dia, como não está e não se vive em Portugal, em França ou em Itália. Basta um passeio a sério (mesmo de automóvel) por Washington ou por Nova Iorque para perceber esta verdade básica. O culto da força (armada e física), que hoje identifica infalivelmente a América, não foi inventado pelo cinema. Nem a outra obsessão universal, a obsessão pelo sexo, foi inventada pela indústria de pornografia (a maior do mundo). A plebe democrática inventou livremente essa cultura, a sua cultura: a cultura do exército do Iraque. E ao que ela, tarde ou cedo, leva já se constatou nas prisões da América: tortura dos presos pelos presos, dos presos pelos guardas, dos guardas pelos presos, para não falar de assassinato, violação e chantagem. A barbárie da cadeia de Abu Ghraib só podia ser americana. Aquela típica mistura de sexo, de força e de violência; a pornografia tirada dos modelos vulgares do hard core; e o gosto de filmar e fotografar a coisa com requintes cénicos, para álbum de família - não enganam ninguém. Claro que o espírito militar impõe, ou devia impor, as suas próprias regras. Mas numa guerra em que os soldados fazem de polícias não há espírito militar que se aguente. Abu Ghraib é um sintoma; e um aviso. Não é uma surpresa.
Vasco Pulido Valente, D.N.15/5/04

At 17/3/07 20:07, Anonymous Anónimo said...

Very cool design! Useful information. Go on! here

 
At 27/4/07 00:15, Anonymous Anónimo said...

Excellent, love it! » » »

 

comentários

<< Home

voltar ao início Site Meter